Seja Bem vindo!

Café campeiro ao sabor do Recanto do Sabiá no CTG 20 de setembro

19 de setembro de 2018
Curta e Compatilhe

Café campeiro ao sabor do Recanto do Sabiá no CTG 20 de setembro

A confraria Recanto do Sabiá foi o patrão do dia junto ao CTG 20 de Setembro localizado na zona sul do município quando as 08h00 ao som de violão (Rubilar Ferreira), e gaita (Mário Sefrin), ocorreram hasteamento dos pavilhões em frente à entidade.

Logo após ocorreu no interior do CTG a apresentação do Hino do Recanto do Sabiá, pronunciamento do confrade maior Nico Sefrin, Renato Schorr, e apresentação artística.

Em ato seguinte os presentes a entidade participaram do tradicional café campeiro, de chaleira e de cambona acompanhados por frios e doces.

ASSISTA VIDEO

Vídeo- Radiocidadesa

A história do tradicional café campeiro

O café de chaleira é um costume introduzido pelos mascates de origem turca, que vinham fazer comercio no Rio Grande do Sul no século XIX. Os gaúchos adotaram o costume. Chegavam, faziam fogo e colocavam as chocolateiras ou cambonas com água para esquentar. Desencilhavam os cavalos, tirando das malas de garupa o café, as bolachas e o açúcar e montavam um local parecido com um acampamento.

Em tempos mais antigos o café era composto, isto é, com açúcar dava uma tintura preta com um forte e agradável cheiro. Em geral, os tropeiros e carreteiros costumavam dividir as obrigações do fogão entre si. Enquanto um fazia o café, outro podia ser o assador, ou fazer o mate, a outro, a responsabilidade de juntar lenha, desta maneira tornava-se fácil e até mesmo divertido o trabalho.

Quem ficava encarregado de fazer café, colocava a água a ferver na chicolateira ou na cambona, depois retirava do fogo e despejava dentro dela duas colheres de café em pó. Mexia com a ponta da faca até dissolver todo, ou com uma colher, depois voltava com a chicolateira/cambona ao fogo. Quando levantava nova fervura, retirava do fogo e colocava um tição aceso dentro do café, provocando uma ebulição. Mantinha o tição dentro do café por segundos. Com as costas da faca, dava algumas pancadinhas por fora, na chicolateira/cambona.

Assim ficava pronto o café. Quando não há tição, por exemplo, em fogo de gravetos, ou em zona que existe lenha e o fogo é feito com corunilha (esterco seco de gado), nestes casos, pondo água fria na fervura do café, ajuda a sentar a borra.

Sentavam nos arreios ou nos pelegos dobrados para tomar o café que era acompanhado por bolachão ou pão caseiro, trazido na mala de garupa. Alguns preferiam ficar acocorados nos "garrões", como é hábito entre nosso homem do campo, herdado dos índios. A sobra do café nas Chicotalteiras/cambonas era posto fora e as vasilhas bem lavadas na sanga.

Fotos- Radiocidadesa

RADIOCIDADESA

Deixe uma resposta