Seja Bem vindo!
Giana - 08/06/24
28/02/2024
WEINERT - 05/01/2024
trilegal-21/09/22
NORTHON MOTTA-02/07/20
A RADIOCIDADE
Polícia

Ronnie Lessa diz que matou Marielle com promessa de chefiar milícia e porque havia muito dinheiro envolvido

Ronnie Lessa diz que matou Marielle com promessa de chefiar milícia e porque havia muito dinheiro envolvido
REGINALDO PIMENTA / AGÊ
27/05/2024 às 09:05

Crime ocorrido em 2018 também vitimou o motorista Anderson Gomes. Dentre as promessas ao matador de aluguel estava a chefia da milícia do Rio de Janeiro, além de cerca de 20 milhões de dólares. Os mandantes foram os irmãos Domingos e Chiquinho Brazão

 

O ex-policial militar Ronnie Lessa, preso desde março de 2019, disse que aceitou matar a vereadora Marielle Franco (PSol) e o motorista Anderson Gomes, no dia 14 de março de 2018, com a promessa de muito dinheiro e da chefia da milícia do Rio de Janeiro. O depoimento do matador de aluguel foi revelado pelo Fantástico neste domingo (26), que teve acesso exclusivo à delação. 

Às autoridades, Ronnie contou como foi feito o convite para participar do crime, garantindo que estava sendo "chamado para uma sociedade", sobre as reuniões com os mandantes do crime e onde elas aconteciam. 

Mandantes e promessa de 20 milhões de dólares

O assassinato teve como mandantes os irmãos Domingos Brazão, ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro e seu irmão, o deputado federal Chiquinho Brazão (União Brasil - RJ). Ronnie Lessa confessou que, como pagamento, ele e um dos seus comparsas receberiam dos irmãos Brazão o Macalé (apelido do ex-PM Edimilson de Oliveira), que é um loteamento clandestino que fica na Zona Oeste do Rio. A área é avaliada em em milhões de reais.

– Era muito dinheiro envolvido. Na época, daria mais de 20 milhões de dólares. A gente não está falando de pouco dinheiro [...] ninguém recebe uma proposta de receber dez milhões de dólares simplesmente para matar uma pessoa –, contou. 

Ainda de acordo com o depoimento do ex-PM, o loteamento ainda serviria para angariar votos para a milícia local.

– A questão valiosa ali é a manutenção da milícia, porque a manutenção da milícia vai trazer votos. Ali, eu não fui contratado como um matador de aluguel, eu fui chamado para uma sociedade.

No relatório das investigações, a Polícia Federal afirmou que não foi possível encontrar evidências concretas de planejamento para ocupar a área. Ronnie não disse quando o empreendimento fora da lei aconteceria, mas que ele seria um dos donos com poder que poderia se refletir, inclusive, até em eleições. 

– Teria a exploração de muita coisa que a milícia explora. E a questão valiosa é o depois, a manutenção da milícia que teria que ser forte, explica Ronnie.

Segundo a delação, eles se reuniram três vezes. Na conversa, Marielle era citada pelos Brazão como um entrave para o esquema. 

–Ela (Marielle) havia convocado reuniões justamente para falar sobre esse assunto, para que não houvesse adesão a novos loteamentos da milícia. E nos encontros que tínhamos, o Domingos falava mais e o Chiquinho concordava. E os encontros sempre aconteciam à noite em uma avenida escura, propício para um 'encontro secreto', que a situação pedia – disse Ronnie.

Também tiveram participação

Além de Ronnie Lessa e dos irmãos Brazão, o ex-chefe da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa, também está preso por suspeita de envolvimento com o crime.

O ex-policial militar Élcio Queiroz; o ex-sargento do Corpo de Bombeiros Maxwell Simões Corrêa, o Suel; e Edilson Barbosa dos Santos, dono de um ferro-velho no Morro da Pedreira, também estão presos.

Ainda de acorod com Lessa, Rivaldo recebia pagamentos desde 2017 para “auxiliar” no crime.

 

g1

NORTHON MOTTA-02/07/20
WEINERT - 05/01/2024
TRILEGAL - 17/06/24
DENGUE - 03/06/24
28/02/2024
A RADIOCIDADE